Música Terapia Holística

O controle da mente através dos Mantras

buddha
Escrito por Ysa Nuit

A música está na natureza: a chuva quando cai, o vento quando sopra, os pássaros quando cantam. E nós, seres musicais que somos, estamos quase que o tempo inteiro produzindo algum tipo de som, não só quando cantamos, mas quando falamos também.

A palavra é um ruído que rompe o silêncio, e esse ruído pode emitir uma vibração agradável ou não, vai depender de alguns fatores, como a entonação, o teor da mensagem, a intenção do que se quer dizer e a maneira como se diz. O tom de voz merece atenção, falar muito alto é praticamente uma declaração de que seu recado é mais importante do que o dos demais. E falar muito baixo pode significar uma autoestima tão prejudicada que é como se o próprio emissor não acreditasse na importância do que está dizendo.

Muitos de nós já devem ter escutado dos mais antigos que “a palavra tem poder” e, por essa afirmação ter assumido um ar supersticioso, acabamos ignorando. Contudo, pesquisas como as do dr. Masaru Emoto (já citado aqui: O poder da Música) demonstraram que nossos antepassados estavam certos, realmente a palavra tem muito poder.

Isso não é nenhuma novidade para os indianos e tibetanos, que há milênios praticam a arte de entoar mantras. A palavra MANTRA é a junção de duas palavras: manas (mente) + tra (controle), no idioma sânscrito, uma língua muito antiga nascida na Índia e no Tibet. Segundo a tradição hinduísta, a prática consciente de entoar mantras auxilia no controle e proteção da mente.  

Um dos mantras mais conhecidos no mundo, o OM, representa o pronunciamento divino que deu origem à criação do Universo. Essa concepção de que o som deu origem a tudo que existe está presente nas mais variadas religiões, até mesmo na cristã, no primeiro livro da Bíblia, o Gênesis: “Deus disse: haja Luz, e houve Luz”. E no Evangelho de João também há que “no princípio era o verbo…”, ou seja, qualquer forma de manifestação do Criador se deu primeiramente com o som, para em seguida haver a criação.

Segundo o mestre místico da Filosofia Sufi, Inayat Khan“O som divino é a causa de toda a manifestação. Quem conhece o mistério do som conhece o mistério de todo o Universo”. Seguindo o mesmo pensamento, Helena Blavatsky, escritora russa e uma das fundadoras da Sociedade Teosófica, afirma em seu consagrado livro A Doutrina Secreta que: “O som é um tremendo poder oculto. Ele tem uma força tão estupenda que a eletricidade gerada por um milhão de Niágaras jamais poderia neutralizar nem a menor potencialidade, quando dirigida pelo conhecimento apropriado”. 

Controlar a mente tem sido um dos maiores objetivos almejados pelos povos orientais, e por que isso é tão importante, já se perguntou? Não é tão difícil perceber a importância desse autocontrole quando mais precisamos dele: em momentos que exigem concentração, seriedade, disciplina e foco. E até nas mais simples atividades cotidianas:

  • Ler um livro – você já se percebeu tendo que reler várias vezes o mesmo trecho?
  • Conversar – por mais simples que pareça, ouvir alguém exige atenção. Quem precisa ser escutado precisa igualmente que não o interrompam para que repita o que acabou de dizer. Mas é exatamente o que ocorre quando nossa mente viaja. Uma palavra que o outro diz faz nossa imaginação fluir, e então a qualidade da nossa escuta cai consideravelmente. De repente já não fazemos ideia do assunto em pauta. Diferente de um livro que podemos reler inúmeras vezes, em um diálogo isso se torna um problema.
  • Ver um filme – se nossa atenção é muito dispersa, até mesmo assistindo a um filme podemos nos distrair e perder o fio da meada.

Provavelmente você já deve ter tido pensamentos recorrentes, insistentes, mesmo quando não gostaria de tê-los. Volta e meia se observa pensando em algo desagradável e a emoção daquela lembrança traz mal estar ou tristeza. Não é por acaso que algumas sensações retornam quando acessamos tais lembranças, pois para o nosso cérebro não há uma compreensão de que aquilo é apenas uma memória, os mesmos hormônios gerados naquele contexto são novamente disparados, fazendo com que literalmente estejamos revivendo a situação – repetidas vezes. Isso acaba gerando um vício mental, de maneira inconsciente buscamos sentir os mesmos sintomas, mesmo que sejam nocivos, porque nos acostumamos a eles (um pouco mais sobre isso aqui nessa postagem: Como vencer a autossabotagem).

Diante desse fato, lançamos mão de muitas ferramentas para nos auxiliar no autocontrole mental, e entoar mantras é uma adorável maneira de conseguir isso. Não importa se você não entende o significado do que está dizendo/cantando, pois o magnetismo contido nas palavras de um mantra milenar já é tão forte que o benefício será igualmente recebido, pense apenas que tais palavras já vêm sendo repetidas por centenas de milhares de pessoas ao longo de muitas eras da humanidade, e sempre com um objetivo benéfico. 

Por outro lado, saber ao menos o teor das palavras faz com que nossa intenção seja melhor direcionada, e possamos fazer uso do mantra que mais se adequa à nossa necessidade. Existem alguns bastante indicados para os momentos de desespero, desarmonia, insônia etc. É como se para acessar ao Portal da Serenidade fosse preciso dizer uma senha, e essa senha é um mantra.

Hoje iremos apresentar o Gayatri, considerado um dos mais poderosos mantras já entoados na Terra! Abaixo na voz da cantora Deva Premal:

Letra:

Om bhur bhuvaha svaha
Tat savitur varenyam
Bhargo devasya dhimahi
Dhiyo yonah prachodayat

Tradução:

Ó grande luz do universo
Ó grande removedouro da dor e da tristeza
Descei vossa luz ao nosso intelecto
Para que possamos saber a direção correta

Existem muitas outras versões deste mantra, veja no Youtube. Outra que gostamos bastante é essa, na linda voz de Tina Malia:

E o vídeo é maravilhoso, cheio de mandalas! Por sinal, já estamos programando uma postagem sobre mandalas por aqui. =D

Outro mantra muito famoso é o Om Mani Padme Hum (Da lama nasce a flor de Lótus), abaixo trazemos um vídeo com a entoação desse mantra por duas horas seguidas:

Então, meu caro leitor, minha estimada leitora, nossa ideia é aguçar sua curiosidade em conhecer outros mantras e descobrir empiricamente os efeitos deles em sua mente. Se você já é familiarizado com essa arte, responda abaixo qual você mais gosta e deixe sugestões para outros leitores.

Namastê!

Sobre a autora

Ysa Nuit

Terapeuta Holística, Reikiana, Taróloga, Palestrante, formanda em Psicoterapia Reencarnacionista, atua com as técnicas: Fitoenergética®, Radiestesia, Meditação, ThetaHealing®, Estruturação Quântica da Consciência (EQC), Cromoterapia, entre outras.

4 Comentários

  • Eu estou extasiada com as informações deste site. Feliz por conhecer você, e certa de que irei mudar muitas coisas que precisam de mudanças. Vivo me autosabotando sempre,e isso me maltrata também. Anciosa por nossa consulta. Grande abraço e Namastê.

    • Gratidão por suas gentis palavras, Adriana! Escrevemos aquilo que vivemos, tudo que compartilhamos aqui é resultado de nossas experiências e é muito gratificante saber que nossos artigos estão te fazendo bem e trazendo reflexões importantes. O objetivo é exatamente esse! Um forte abraço e até breve!

    • Sim, os mantras realmente acessam nosso coração! Maravilhoso comentário, Ariana, muito grata por passar por nosso cantinho e deixar sua contribuição. ;*

Deixe um comentário